Páginas

CAPADÓCIA

Capadócia, que se situa na Anatólia Central, é uma região única no mundo, com sua fantástica paisagem lunar devido às belas e estranhas formações rochosas. Clique na foto abaixo para ampliar e visualizar melhor este exótico lugar.


Por seu rico patrimônio histórico e cultural, foi considerada Patrimônio Mundial pela UNESCO. A região, que já foi capital do Império Hitita, e que tem em Göreme, Ürgüp, Avanos, Uçhisar, Kayseri e Nevsehir, suas mais importantes cidades e províncias, é um dos principais destinos turísticos da Turquia (clique no mapa para ampliar)



Toda a região encontra-se num planalto com aproximadamente 1000 m de altitude, e a maior parte da região é semi-árida com um clima continental, com verões quentes e secos e invernos frios e com neve. Por isso, a melhor época de se visitar o local é na primavera (abril a junho) ou no outono (setembro a novembro).


A história da Capadócia é fascinante. Não se sabe ao certo a origem do seu nome: pode ter sido uma palavra do vocabulário hititaKatpadukya ("terra dos cavalos de raça"), ou persa como Katpatuka ou Katpatukya (“terra dos belos cavalos”) ou ainda de origem grega. O que se sabe é que os cavalos da região eram famosos pela beleza e dados de presente a vários reis pelos persas.


A paisagem única da região é o resultado da ação de forças naturais ao longo de milhões de anos. Na antiguidade essa região era tomada por inúmeros vulcões que, há 100 mil anos, entraram em intensa atividade.



O acúmulo das lavas e cinzas provenientes das erupções dos vulcões, associado à erosão provocada pelo vento e chuva, foi responsável por formações rochosas únicas: rochas longilíneas e cônicas, parecidas com cogumelos, com um cume formado por basalto, conhecidas por “chaminés de fada”.


O solo virou tufo, uma rocha porosa fácil de ser escavada, e que funciona como um isolante térmico natural que permite assegurar uma temperatura agradável durante todo o ano, seja no verão quente ou no inverno gelado. Essa característica geológica foi fundamental na forma de adaptação do homem na região.


Há 10.000 a.C, o homem começou a transformar a região, escavando as rochas para construir abrigos. Com o tempo essas “casas” construídas lado a lado dentro das rochas criaram uma paisagem tal como um grande formigueiro repleto e buracos sob forma de portas e janelas.


A situação geográfica da Capadócia tornou-a encruzilhada de rotas comerciais importantes ao longo dos séculos e por isso foi alvo de contínuas invasões. Para se refugiarem durante as invasões, os habitantes construíram cidades subterrâneas, e supõe-se que as mais antigas podem remontar ao tempo do Império Hitita (séc. XIII a XII a.C.), há mais de 3000 anos. Cerca de 200 cidades subterrâneas foram construídas desde então, e no Império Bizantino (395-1453), surgiram as primeiras igrejas e monastérios escavados na rocha, com seus maravilhosos afrescos.

Afresco da Igreja Escura em Goreme (Wikipedia)
 Hoje, balões pontuam o céu nas primeiras horas da manhã, levando em seus cestos milhares de turistas maravilhados com sua paisagem deslumbrante. Essa é a Capadócia, onde a história do homem e a geologia se uniram para criar uma terra mágica, exótica e misteriosa.


Principais atrações 


Museu ao ar livre de Göreme



Neste local é possível ver monastérios e igrejas escavadas na pedra que conservam afrescos bem preservados do século XII.  Entretanto apenas alguns locais estão abertos à visitação, e na maioria é proibido bater fotos do interior. No vídeo abaixo se pode ter uma visão geral do local.


video


Pontos de visitação do Museu ao Ar Livre em Göreme

- Karanlik Kilise: (Igreja Escura) foi um complexo monástico construído no século XIé considerada uma das mais bonitas por seus afrescos bizantinos com cenas do Novo Testamento bem preservados. Seu nome deriva provavelmente pelo fato de ter apenas uma pequena abertura para passagem da luz, mas que contribuiu para preservar o pigmento das pinturas.


Çarikli Kilise: (Igreja com sandálias): foi escavada no mesmo rochedo que a Karanlik Kilise, e tem lindos afrescos que reproduzem imagens de evangelistas e de passagens da vida de Jesus, como seu nascimento e batizado no rio Jordão. O nome da igreja deve-se a formas na rocha junto à entrada que lembram pegadas.

 - Yilanli Kilise (Igreja da serpente): o nome da igreja refere-se ao afresco em que São Jorge enfrenta uma serpente (yilanli). Ela tem um formato diferente, com uma nave abobadada longa e baixa, com um altar ao lado (e não em frente) na direção de Jerusalém. Uma pintura que se destaca nessa igreja é a de Santo Onofre . Diz a lenda que ele teria sido uma bonita mulher, mas de moral duvidosa, que, arrependida da sua conduta, apelou a Deus para que conseguisse livrar-se dos desejos dos homens. Atendendo às suas preces, Deus tornou-a feia e deu-lhe uma barba, e depois ela teria fugido para o deserto, tornando-se uma eremitaEsta história explicaria porque Santo Onofre é usualmente representado como meio-homem meio-mulher, assim como nesta igreja onde foi pintado com seios e vegetação cobrindo as partes íntimas.

 - Azize Barbara Kilise (Igreja de Santa Bárbara): em homenagem à primeira mulher martirizada na Capadócia. Ela foi encarcerada pelo pai para evitar que fosse influenciada pelo Cristianismo. Apesar disso, se recusou a renunciar à prática da sua fé e o pai submeteu-a a tortura, acabando por matá-la. No domo da igreja está pintada a figura de Cristo em um trono, e também se destaca uma pintura de Santa Bárbara, São Teodoro, e de São Jorge montado num cavalo enfrentando um dragão e uma serpente. São Jorge com seu cavalo branco está estampado em todas as igrejas porque ele era um santo muito importante na região.

 - Elmali Kilise (Igreja da maçã): é a menor de todas, e seus afrescos representam santos, bispos e mártires. À direita do altar está uma cena da Última CeiaO nome da igreja parece derivar de um globo avermelhado que o arcanjo Miguel segura numa das mãos, mas também pode provir de uma macieira que existiu nas proximidades.

 - Mosteiro de Kizlar: esse convento que chegou a abrigar 300 freiras é um conjunto de túneis, escadas e corredores. Nele está uma interessante cozinha central escavada na pedra contendo o refeitório, a dispensa e um salão.

É um local deslumbrante, diferente, imperdível. Melhor deixar que as fotos falem por si.





















Vale de Uçhisar

Uçhisar significa "três fortalezas" em turco e é uma das localidades mais típicas da Capadócia, com suas casas confundindo-se com a paisagem rochosa tão característica da região. O famoso rochedo do local, apelidado de Kale (castelo em turco), serviu de fortaleza e refúgio no passado e, com os seus 1300 m de altitude, é o ponto mais alto sendo visível a vários km ao redor. É um autêntico labirinto que inclui capelas, mosteiros, habitações, refeitórios, armazéns e salas comuns, ligados entre si por uma rede de galerias empilhadas em vinte andares.


Uçhisar e do seu "castelo" (kale) - fonte Wikipedia
Esse vale tem uma paisagem muito diferente . Muitos filmes foram rodados nesse local, como os Flintstones, devido a sua paisagem lunar e pré-histórica. 









E antes de chegar ao próximo destino fizemos uma parada para experimentar um prato típico turco chamado Gözleme. Bem parecido com o pão de folha libanês, a massa é recheada (com queijo de cabra e/ou verdura refogada) e depois assada em uma pedra. Muito gostoso. Veja abaixo como esse típico lanche é feito.








Pasabag ou Vale de Zelve

video

Esse vale fica na beira estrada para Zelve, vindo de Goreme. Esse vale tem as mais impressionantes chaminés de fada com formato de cogumelo da Capadócia, algumas com duas ou até três pedras no topo. Um lugar realmente incrível com formações muito diferentes.







Cidades subterrâneas


Uma das visitas mais emocionantes é entrar em uma das 36 cidades subterrâneas já descobertas na Capadócia (existem cerca de 200), que foram abrigos em tempos de guerra e onde os habitantes podiam resistir por meses sem que o inimigo percebesse sua existência. Veja no mapa um plano geral de uma destas incríveis cidades.


Existem cidades com 65 metros de profundidade e até 20 andares abaixo da terra, todos interligados formando uma espécie de colméia, onde só numa delas podiam viver cerca de 20.000 pessoas.







Existem dados históricos de que os hititas já usavam esse tipo de cidade e com os cristãos elas cresceram em número e tamanho. A região teve um papel muito especial na tradição cristã. Durante os primeiros anos do cristianismo, a Capadócia foi um terreno fértil para a expansão da nova religião, pela sua proximidade das Sete igrejas da Ásia (mencionadas no livro do Apocalipse do Novo Testamento), e de Antioquia, onde São Pedro fundou a primeira comunidade cristã.
São Paulo também fez três viagens à Capadócia entre 44 e 58. Muitos dos primeiros cristãos que habitavam a região usaram essas cidades subterrâneas como refúgio durante as perseguições de que foram alvo após a morte de Jesus, durante os séculos II, III e IV.


As cidades subterrâneas mais conhecidas são: Kaymakli, Derinkuyu, e Özkonak. Visitamos esta última, situada próxima à região de Avanos, e construída como refúgio pelos cristãos. Não é muito recomendado a claustrofóbicos, mas o passeio é tranqüilo, bem iluminado, bem sinalizado e, ficando perto do guia, não tem como se perder. Na maioria das cidades só se pode descer 3 a 4 andares, e nelas é possível conhecer suas principais dependências: adega, depósito, cozinha, quartos, capela, tumba.


As cidades eram muito organizadas e guardavam-se tudo dentro delas. Cada família tinha uma espécie de casa-dormitório. Para controlar o oxigênio só era permitido cozinhar numa zona comunitária de cozinha, e apenas alguns dias por semana e à noite, para que a fumaça não fosse percebida pelos soldados. Os túneis uniam os vários pisos e a pouca iluminação era controlada para impedir a queima de oxigênio. As cidades tinham também sistemas de ventilação construídos em zig-zag para impedir que os soldados passassem por entre os túneis. O piso superior servia apenas de entrada e a porta para o interior era formada por uma pedra grande com um sistema de fechamento interno de segurança. Como não tinham banheiro canalizado a população utilizava cal para matar as bactérias e controlar o odor, e um poço artesiano de água servia toda a cidade.  As portas das “casas-dormitório” eram de tecido porque a madeira não era permitida (para não incendiar e não causar barulho), e todos os móveis eram escavados em pedra. A temperatura interna é agradável, sempre entre 10-15º no verão ou no inverno, graças ao tipo de solo (tufo) que funciona como isolante térmico natural e também ao sistema de ventilação por chaminés.


Após a visita a essa cidade subterrânea nossa última parada foi em uma fábrica de tapetes artesanais turcos. Uma visita muito interessante que pode ser vista no vídeo abaixo.

video



Mas, se a Capadócia já é tão fantástica explorando-a por terra, que outras surpresas nos aguardam ao conhecê-la pelos céus? É o que veremos no próximo post: um passeio de balão pela Capadócia. 




10 comentários:

  1. parabens pelo blog, esta maravilhoso!

    ResponderExcluir
  2. Como voce voou de Istambul para a Capadocia, ha varias cias aereas ou apenas a Turkish ? Vc se lembra qto pagou no ticket ?
    obrigada
    Janaina

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Janaína
      Todos os vôos foram pela Turkish, é a melhor cia, mas não sei os valore, só lembro que era barato, e valia muito a pena pelo tempo que economiza e pelo cansaço que evita. Recomendo!

      Excluir
  3. Adorei o seu blog! Parabéns!
    Lú de Florianópolis

    ResponderExcluir
  4. Escrevi minha impressão sobre as mulheres na Turquia no link a seguir:
    http://100dimensoes.blogspot.com.br/2013/09/as-mulheres-na-turquia.html

    Josimara

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Josimara
      Gostei da sua postagem. Recomendo!
      Obrigada por colocar o meu blog na sua lista de preferidos.

      Excluir
  5. Eu gostei muito do seu blog!! Obrigada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Josie, obrigada pela visita ao blog. Qualquer dúvida estou à disposição. Até mais!

      Excluir